O Blog!‎ > ‎

Windows 7: Um guia moderno para a implantação de desktops

postado em 23 de dez de 2010 14:57 por Cristiano Guilherme Oliveira Silva

Há algumas ferramentas especializadas que tornam a implantação em larga escala do Windows 7 muito mais fácil do que a de versões anteriores.

Joshua Hoffman

O mundo era diferente na virada do século. As empresas estavam apenas se familiarizando com o Windows 2000. Para personalizar e implantar o Windows 2000, nossos antepassados tinham apenas uns poucos recursos principais com os quais contar.

As ferramentas da época eram o sysprep.inf e o unattend.txt (dois arquivos de texto sem formatação que permitiam personalizar alguns aspectos do SO) e o Sysprep (uma ferramenta que apagava identificadores exclusivos da máquina de origem e a preparavam para a captura de imagem). Se você quisesse se tornar realmente criativo, podia trabalhar em um VBScript personalizado que seria automaticamente executado quando o computador fosse inicializado pela primeira vez depois de ser implantado.

Agora, em 2010, as tecnologias de implantação de desktop evoluíram substancialmente. Com o Windows Vista e o Windows 7, o processo nunca foi mais fácil. Há um conjunto sofisticado de ferramentas e diretrizes prontamente disponíveis para ajudá-lo no processo. Neste artigo, explicarei algumas das novas ferramentas e técnicas que ajudam a simplificar, otimizar e acelerar o processo de implantação de desktop.

Microsoft Assessment and Planning Toolkit

Qualquer projeto de TI bem-fundamentado começa com uma avaliação completa do ambiente atual e um plano de como executar o projeto. O MAP (Microsoft Assessment and Planning) Toolkit ajuda você a fazer exatamente isso. Ele inclui várias ferramentas que atendem a três funções principais: inventário, análise de compatibilidade e relatório de preparação.

A ferramenta de inventário MAP faz um inventário seguro, sem agente, dos recursos de computação em sua rede. Por usar tecnologias já existentes na sua rede, inclusive o WMI (Instrumentação de Gerenciamento do Windows), o Serviço Registro Remoto, os Serviços de Domínio Active Directory e o serviço Pesquisador de Computadores, o MAP não requer nenhuma instalação.

Quando o inventário for concluído, o MAP fornecerá uma análise abrangente dos ativos de sua organização, inclusive informações detalhadas sobre a composição do ambiente e a identificação de problemas que podem representar um desafio para uma migração para o Windows 7 sem problemas. O MAP também tem recursos sofisticados de relatório que fornecem uma visão mais detalhada do estado atual de sua infraestrutura de TI (consulte a Figura 1).

Figura 1 O Microsoft Assessment and Planning Toolkit fornece uma avaliação e um inventário completos de seu ambiente atual

O MAP também inclui ferramentas para conduzir um inventário e análise semelhantes do software de seu ambiente. Isso ajuda a entender o estado existente do software implantado em sua organização. Também ajuda a identificar qualquer problema que imponha um obstáculo ao êxito da implantação. Antes de iniciar seu próximo projeto de implantação, baixe a versão mais recente do MAP Toolkit.

Microsoft Deployment Toolkit

Depois de usar o MAP para obter uma visão abrangente de sua infraestrutura e atenuar quaisquer problemas pendentes, você deve iniciar a engenharia de sua nova implantação. O MDT (Microsoft Deployment Toolkit) 2010 fornece uma estrutura completa e um conjunto de ferramentas para personalizar, automatizar e implantar novos desktops com Windows 7. Ele também dá suporte à implantação do Windows Server 2008 R2, do Windows Server 2008 e do Windows Server 2003.

Com um painel de controle centralizado chamado Workbench de Implantação (consulte a Figura 2), o MDT simplifica completamente o processo de implantação de um novo SO. O MDT dá suporte a três cenários principais de implantação.

  • LTI (Lite Touch Installation)
  • ZTI (Zero Touch Installation)
  • UDI (Instalação Controlada pelo Usuário)

Cada cenário fornece diferentes níveis de automação e interação de usuários com base nas necessidades e recursos de sua organização. Você localizará diretrizes de especialistas sobre como escolher o melhor cenário em “Usando o Microsoft Deployment Toolkit” incluído no download do MDT.

Figura 2 O workbench de implantação do Microsoft Development Toolkit

Há várias abordagens para a criação de imagens. Você pode optar por criar uma “imagem espessa”, uma captura completa de todo o ambiente do desktop, inclusive SO, drivers, aplicativos e assim por diante.

Por outro lado, “imagens finas” representam uma abordagem minimalista, com a inclusão de apenas o que é absolutamente necessário para criar o ambiente de computação do desktop. Aplicativos e configurações são adicionados mais tarde no processo.

Uma “imagem híbrida” é exatamente o que parece ser: uma imagem de “comprometimento” que inclui aplicativos básicos e personalizações que se aplicam a todos os usuários. É possível aplicar personalização adicional mais tarde. Mais uma vez, o documento “Usando o Microsoft Deployment Toolkit” ajudará você a seguir na melhor direção.

Depois de selecionar uma abordagem de implantação e um estilo de imagem, o MDT orientará você pelo processo de criação de um compartilhamento de implantação (onde suas imagens serão armazenadas e de onde serão implantadas) e de criação de imagens personalizadas do Windows. A partir daí, você tem várias opções para realmente implantar a imagem baseado em seu cenário. Essas opções podem incluir implantação automatizada por meio do System Center Configuration Manager ou de uma versão mais manual por meio de mídia de inicialização personalizada.

Não deixe de examinar o blog de Michael Niehaus e o blog Deployment Guys, os dois oferecem dicas adicionais, vídeos e instruções passo a passo sobre o MDT.

Kit de Instalação Automatizada do Windows

Existem várias maneiras de integrar o SQL Azure com sua infraestrutura existente do SQL Server. A maior parte dos meios tradicionais de integração e migração de dados entre servidores está disponível também para o SQL Azure, incluindo o SQL Server Integration Services, que permite a importação/exportação de dados, a transformação de dados, o armazenamento em data warehouses e assim por diante. O SQL Azure também oferece suporte ao Assistente de Importação e Exportação do SQL Server incluído com o conjunto de ferramentas do SQL Server Management Studio para copiar bancos de dados e migrar dados de e para o SQL Azure (veja a Figura 3).

Ferramenta Descrição
Windows SIM (Gerenciador de Imagem de Sistema do Windows) Abre imagens do Windows, cria arquivos de resposta e gerencia compartilhamentos de distribuição e conjuntos de configuração
ImageX Captura, cria, modifica e aplica imagens do Windows
Gerenciamento e Manutenção de Imagens de Implantação (DISM) Aplica atualizações, drivers e pacotes de idioma a uma imagem do Windows. O DISM está disponível em todas as instalações do Windows 7 e do Windows Server 2008 R2
Ambiente de Pré-Instalação do Windows (Windows PE) Um ambiente mínimo de SO usado para implantar o Windows. O WAIK inclui várias ferramentas usadas para criar e configurar ambientes Windows PE
USMT (Ferramenta de Migração de Perfil do Usuário) Migra dados do usuário de um SO Windows anterior para o Windows 7

Figura 3 As ferramentas incluem o Kit de Instalação Automatizada do Windows

Compatibilidade e virtualização de aplicativos

Um dos problemas mais comuns enfrentados por profissionais de TI durante uma implantação de desktop é a compatibilidade de aplicativos. Os aplicativos herdados, inclusive os desenvolvidos internamente, ainda podem ser críticos para os negócios e devem ser considerados e identificados. O ACT (Application Compatibility Toolkit) pode ajudar você com essa tarefa.

O ACT ajuda a racionalizar aplicativos existentes por meio da identificação de duplicatas potenciais, versões conflitantes e assim por diante. Com a ajuda para padronizar aplicativos em toda a organização, é possível reduzir o número de aplicativos necessários para teste antes da implantação.

Depois de concluir o processo de racionalização, o ACT pode ajudar a testar cada aplicativo para verificar a compatibilidade com o Windows 7. Isso pode ser tão simples quanto apresentar detalhes fornecidos pelo fabricante do aplicativo que indiquem se o aplicativo é compatível ou não. Em alguns casos, talvez você também se veja às voltas com aplicativos internos que exigem testes mais detalhados, ou aplicativos sabidamente incompatíveis que exigem minimização para funcionarem corretamente com o Windows 7.

Alguns aplicativos têm correções de compatibilidade para funcionarem corretamente no Windows 7. Você pode fazer com que um grande número de aplicativos, anteriormente incompatíveis, funcionem de maneira fácil e rápida com o uso de correções. Por exemplo, as correções podem fazer com que um aplicativo acredite que esteja sendo executado como um administrador quando não está, ou que esteja sendo executado no Windows XP quando, na verdade, está sendo executado no Windows 7.

Para aplicativos incompatíveis que não puderem ser resolvidos com correções por meio do ACT, talvez seja necessário implantar tecnologia de virtualização, como o Virtual PC, para execução do aplicativo no Modo Windows XP ou no MED-V (Microsoft Enterprise Desktop Virtualization). Essas tecnologias de virtualização emulam uma versão anterior do Windows. O MED-V, que faz parte do Microsoft Desktop Optimization Pack, permite executar aplicativos dentro de uma máquina virtual com um SO mais antigo em execução, e faz isso de uma maneira que é completamente contínua e transparente para o usuário. Os aplicativos parecem funcionar como se estivessem instalados no desktop. Os usuários podem até fixá-los na barra de tarefas.

O processo de implantação de desktop mudou drasticamente na última década. As ferramentas e técnicas disponíveis atualmente fornecem um controle maior do que nunca antes e, ao mesmo tempo, simplificam o gerenciamento e o processo e aceleram a implantação.

Joshua Hoffman é o antigo diretor-chefe da TechNet Magazine. Agora, ele é autor e consultor independente, aconselha seus clientes sobre tecnologia e marketing voltado ao público. Hoffman também trabalha como editor-chefe do ResearchAccess.com, um site dedicado ao crescimento e enriquecimento da comunidade de pesquisas de mercado. Ele mora em Nova York.

Fonte: Technet
Comments